0

FELIZ ANO NOVO COM MUITA PAZ, HARMONIA, SAÚDE E REALIZAÇÕES!!!

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 15:13 in , , , , , , ,

0

RONALDO CASTRO - SEMPRE NA LUTA - DESEJA UM FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO!!!

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 02:09 in , , , , , , ,

0

3º mandato: Inês Pandeló será diplomada quinta-feira.

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 01:21

Inês assume novo mandato em fevereiro

Acontece nesta quinta-feira, 16/12, às 14 horas, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a diplomação dos deputados eleitos para 2011/2014, entre eles, Inês Pandeló.
Mineira de Cataguases, Inês Pandeló veio para Barra Mansa ainda adolescente, onde ingressou na Comunidade Eclesial de Base da Igreja Católica e entendeu que a política é um dos grandes instrumentos de transformação da sociedade.

Em sua trajetória pública, Inês foi vereadora e única mulher prefeita de Barra Mansa, cidade onde reside até hoje. A partir do dia 1º de fevereiro de 2011, assume seu terceiro mandato consecutivo na Assembléia Legislativa do Estado do Rio.
- Me sinto muito honrada com a confiança depositada pelos eleitores de todo Estado em meu trabalho frente à Alerj. Quero dar continuidade a luta pela defesa da igualdade de direitos ntre homens e mulheres, pela preservação da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul e o desenvolvimento sustentável - destacou Inês.

PRIMEIRA MULHER PRESIDENTE - Inês Pandeló já está com tudo pronto para acompanhar a posse, em Brasília, dia 1º de janeiro de 2011, de Dilma Roussef, primeira presidente do Brasil. "Será um momento histórico para o nosso país, que depois de eleger e reeleger o primeiro presidente operário, terá uma mulher como chefe da Nação", concluiu.

0

Conheça Iriny Lopes, futura ministra do governo Dilma!!!

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 02:31

A deputada federal Iriny Lopes (PT-ES) vai ocupar a Secretaria Especial das Mulheres no governo da presidente eleita, Dilma Rousseff. Aos 54 anos, ela foi reeleita em 2010 para o seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados. Seu trabalho como parlamentar inclui a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Casa, em 2005.
Iriny também já integrou o Conselho de Ética da Câmara e foi relatora do processo que culminou na cassação do ex-deputado André Luiz, do Rio de Janeiro, flagrado num diálogo em que tentava extorquir 4 milhões de reais do empresário de jogos Carlos Cachoeira.
Em 2009, foi relatora da CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas, em que pediu o indiciamento do banqueiro Daniel Dantas, do grupo Opportunity. Deve-se à ação dos deputados dessa CPI o desmantelamento de um complexo aparelho clandestino de espionagem criado dentro do estado para bisbilhotar a vida de ministros, magistrados, advogados e jornalistas – em síntese, o embrião de um estado policial que contava com o aval da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o apoio de membros da Polícia Federal e a simpatia e conivência de alguns juízes e procuradores da República.
A deputada está no PT desde 1984. Ela pertence a uma ala mais radical do partido a corrente interna Articulação de Esquerda e chegou a integrar a chamada “bancada agrária”, simpática ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Entre os grupos estrangeiros com os quais a ala radical petista sente afinidade, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) são aquelas em maior evidência. Essa guerrilha financiada pelo narcotráfico é vista pelos radicais como alvo de uma campanha difamatória do “imperialismo americano”. Fonte: Portal Veja.

0

Quero meu partido de volta! Partido dos Trabalhadores (PT).

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 04:15

Quero meu partido de volta! Partido dos Trabalhadores (PT).

Por Wagner Hosokaw

Sei que o título não é novo e que já foi utilizado para reflexão, angústias e dialogo sobre os rumos do nosso partido, mas volta a ser necessário. No último dia 09 de dezembro deste ano (2010), nosso partido convocou a sua militância para uma reunião de executiva ampliada para debatermos a posição do PT e nossas ações frente ao trecho norte do Rodoanel apresentado pelo governo estadual tucano ao nosso governo municipal.

Motivos para não aceitar a proposta do trecho norte não nos faltaram na apresentação dos companheiros da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (muito clara e competente por sinal), onde a proposta do governo atinge a zona norte da capital (SP) e a nossa cidade. E justamente em Guarulhos haverão grandes impactos sobre equipamentos públicos (o traçado do Rodoanel passa literalmente por cima de adutoras de água e estação de tratamento de esgoto do SAAE, escolas, praças, etc), não dá acesso ao sitio da Candinha na região do Sto Dumont, desapropria ou simplesmente desocupa milhares de famílias de suas casas e gera um muro que divide a cidade de seus cidadãos e cidadãs.

Compreendo bem a posição do nosso governo municipal. Em diversos momentos buscamos o dialogo sobre a construção dos presídios, da Febem (Fund. Casa), nas enchentes do Vl. Any, e em diversas outras áreas. A resposta do governo estadual tucano sempre foi o “não”ou a imposição autoritária sobre nosso município. Dialogo não foi o forte dos governos Covas-Alckimin-Serra, onde em áreas da CDHU que poderíamos ter mais moradias vieram os presídios, em desrespeito aos movimentos de direitos da criança e do adolescente venho a imposição das Febens e a resposta do governo estadual nas enchentes do Vl. Any venho o silêncio diante do muro da vergonha que o prefeito Kassab faz na divisa com a região.

Bem e agora sobre o Rodoanel? Estratégia é a arte de saber como chegar ao objetivo a partir de várias frentes, e no quadro das nossas táticas esta o governo, o partido, a bancada de vereadores, os movimentos sociais e a população organizada. Podem ser várias frentes com tarefas diferentes? Claro.

Entendemos que cabe o governo discutir tecnicamente os itens que trazem prejuízos a cidade e a população (o que já esta sendo feito), a bancada de vereadores em buscar a organização do povo (isto já esta sendo feito), os movimentos sociais com o trabalho de debater suas posições (que também esta sendo feito), e o partido…que precisa ter uma posição política.

E é nisso que quero me deter. A nossa reunião foi boa, bom debate, revelador. O que me incomodou foi o tom diante de algumas propostas.

Nós da Articulação de Esquerda (AE), tomamos posição interna para que o partido tomasse uma posição contrária ao Rodoanel diante do modelo viário proposto e a forma autoritária do governo estadual tucano. A posição do partido é uma resposta política. É de enfrentamento ao debate com a sociedade. Os resultados da luta e da posição do partido devem ser inclusive o acumulo de forças que teremos no final.

Mas essa proposta foi combatida por alguns companheiros (se são mesmo companheiros), de forma extremamente desrespeitosa. Fomos acusados de 1) apresentar proposta com viés de “movimento estudantil”; 2) que seria ruim governo e partido terem posição diferentes; 3) que seria ser “do contra”; 4) que o “povo” quer o Rodoanel por conta do “progresso”;

Bem a cretinice política existe. A amnésia política também. E por isso é preciso botar os pingos nos “is”.

Ter uma proposta derrotada não é o problema, vários companheiros apresentaram sua divergência com relação a nossa posição, de forma fraterna. Agora vamos lembrar que:

1) O movimento estudantil tem longa historia de lutas em nosso país e nosso mundo. Se existe Petrobras (e vários companheiros encastelados nos seus cargos – bem pagos por sinal), se deu por luta do movimento estudantil. Se a presidente Dilma está eleita, foi nossa candidata e agora presidenta, ela mesmo venho do…movimento estudantil. Inúmeras lutas e propostas que levaram a vitória do PT e do presidente Lula foram das resistências do movimento estudantil;

2) O governo e partido na disputa da sociedade nem sempre caminharam juntos, no debate da taxa de luz proposto pelo governo Eloi enfrentamos o debate no partido. Na defesa da emenda 29 para Saúde o PT nacional fez inclusive campanha a favor da sua aprovação e o próprio presidente Lula solicitou que a bancada do governo votasse contrária a proposta; Contradição? Não, o governo é liderado pelo PT, mas tem nas suas alianças o cerne das contradições;

3) Nunca propomos ser contra o Rodoanel (por ser contra) ou simplesmente dizer “não” – ou melhor dizendo, o PT ao longo dos seus 28 anos enfrentou grandes debates inclusive sendo contrário a medidas que prejudicaram o povo brasileiro. Dissemos não a divida externa e lutamos por uma nação independente do jugo financeiro do FMI, dissemos não a ALCA e por uma nação soberana, dissemos não as privatizações e na defesa do patrimônio e das riquezas nacionais. Ou seja, se dissermos “sim” submissamente a estes princípios com certeza não teríamos nem eleito Lula, e nem tornado o PT referencia de luta contra projetos de desenvolvimento que só atendem o “progresso”das elites brancas do país;

4) “Progresso” é a desculpa que fez com que as elites – empresáriais, latifundiárias, empreiteiros e banqueiros – pudessem as custas do povo brasileiro, explorar cada vez mais os trabalhadores/as que esperam o “bolo crescer” até os dias atuais. O governo Lula redistribuiu a riqueza arrecadada pelo poder executivo e não a que é consumida vorazmente por estas elites. Em nome do “progresso” querem privatizar/ internacionalizar a Amazônia, em nome do progresso Chico Mendes foi assassinado no Acre pelos grandes empresários e latifundiários, em nome do progresso o governo estadunidense promoveu as guerras do Alfeganistão e no Iraque;
Nosso debate é de que progresso estamos falando? Qual é o nosso modelo de progresso pergunto aos “sábios”companheiros defensores do modelo predatório e anti-povo diante do Rodoanel?
Mas o que mais me incomoda neste debate é a perda da capacidade de debater idéias, propor ações e fazer a luta política a favor de uma sociedade mais justa econômica, social e política. Alguns estão de fato embriagados com a ilusão do poder.

Sinto informar que o povo nos deu um mandato (de quatro anos), e nos avaliará a cada nova eleição. Se não disputarmos as consciências e não politizarmos a sociedade esta mesma população decidirá pela mudança conservadora. Só que ai será tarde, pois na cabeça de uma parte da sociedade, os conservadores (aquele que se conserva em algo ou algum lugar), seremos nós.

Fonte: Jornal Página 13.

0

Planária Estadual

Posted by Guilherme Monteiro Cerqueira on 03:11 in

0

Resultado do Plebiscito pelo Limite da Terra.

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 05:20 in , , , , , , ,

Mais de 500 mil pessoas concordam com fixação de tamanho máximo para propriedade rural.

Lourenço Canuto

Repórter da Agência Brasil


Brasília - Mais de 500 mil pessoas ouvidas em 23 estados e no Distrito Federal se disseram favoráveis à ideia de fixar um limite máximo para o tamanho das propriedades rurais. Elas foram consultadas entre os dias 1° e 12 de setembro, em plebiscito promovido pelo Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo, entre outras entidades.

Entre os 519.623 cidadãos consultados, apenas 3,52% se posicionaram contrários ao estabelecimento de limite para a terra rural. O percentual de votos em branco foi de 0,63% e o de nulos, de 0,34%. Quanto à pergunta que vinculou o tamanho da propriedade à produção, apenas 4,27% apenas julgaram irrelevante o limite, 0,89% votou em branco e 0,45%, nulo. A maioria concordou também que o limite da propriedade possibilita aumentar a produção de alimentos saudáveis e melhorar as condições de vida no campo e na cidade.

A pesquisa foi divulgada hoje (19) por representantes do fórum, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), durante entrevista coletiva. A consulta integra a primeira etapa de um movimento que pretende colher até o final do ano 1,2 milhão de assinaturas em todo o país para apresentar ao Congresso Nacional em 2011 um projeto visando a estabelecer o limite de 35 módulos fiscais para as terras devolutas e improdutivas.

Se aprovada, a medida vai atingir entre 42 mil e 50 mil propriedades rurais, numa área total equivalente a 100 milhões de hectares. Se for fixado o limite da propriedade em mil hectares, ele atingiria 68 mil propriedades rurais no país. O conceito de módulo fiscal varia nos estados, de acordo com as condições locais, entre 7 hectares a 100 hectares.

A pesquisa sobre o tamanho das propriedades foi antecedida por debates, pela organização de comitês e divulgação de interesses da propriedade privada. O professor Ariovaldo Umbelino, da Universidade de São Paulo (USP), afirmou que existem no Brasil 200 milhões de hectares de terras improdutivas e 500 milhões de hectares de terras devolutas (terras públicas sem uso específico). Nos últimos anos, segundo ele, aumentou a concentração de terras e o governo não tem conhecimento preciso sobre as posses e propriedades.

Para ele, isso é preocupante, já que em todo o país existem 851 milhões de hectares de terras. O professor da USP destacou os prejuízos ao meio ambiente provocados pelas atividades das grandes empresas e disse que limitar o tamanho da propriedade é importante porque, enquanto a empresa do agronegócio emprega 1,4 trabalhador por hectare, na agricultura familiar 17 pessoas produzem no mesmo espaço.

O representante do Fórum Nacional pela Reforma Agrária, Gilberto Portes, destacou o alcance do plebiscito, lembrando que, na consulta, foram ouvidas mais de 500 mil pessoas.

O representante do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), padre Gabriele Cipriani, afirmou que a questão da terra deveria ter destaque na agenda dos candidatos à Presidência da República, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), que vão disputar o cargo no dia 31, em segundo turno.

Segundo Cipriani, fazer a reforma agraria "é democratizar o uso da terra como um direito da população para produzir alimentos para o mercado interno e para exportação”.

Edição: Juliana Andrade

0

Os desafios do governo Dilma

Posted by Helbson de Avila on 17:09

Documento apresentado pela Articulação de Esquerda, para discussão na Esquerda Socialista, na Comissão Executiva Nacional e no Diretório Nacional do PT. Versão preliminar, sujeita a alterações.

1. A eleição de Dilma Roussef é uma tripla vitória para o povo brasileiro e para a esquerda latino-americana e mundial. Primeiro, por possibilitar a continuidade do processo de mudanças aberto com a eleição de Luis Inácio Lula da Silva em 2002. Segundo, pelos efeitos culturais resultantes da eleição de uma mulher de esquerda para o principal cargo do país. Terceiro, porque a vitória de Dilma significou também a derrota de uma direita cavernícola, truculenta, histérica.

2. Contradizendo as expectativas de quem afirmava que não havia candidato de direita nas eleições de 2010; desmentindo quem dizia que o PSDB é o partido “da” e não “de” direita; chocando quem acreditava no seu suposto perfil progressista, a candidatura Serra assumiu um discurso abertamente reacionário, e estabeleceu uma aliança explícita com grupos de extrema-direita como a Opus Dei, a TFP, o CCC, os separatistas, os xenófobos e alguns militares golpistas de pijama.

3. Mais do que vencer as eleições, derrotar esta direita provoca não apenas satisfação, mas também alívio. Deve-se reconhecer que foi este sentimento — não só impedir a volta dos neoliberais, mas principalmente barrar uma vitória da extrema-direita — que motivou centenas de milhares de pessoas em todo o Brasil a jogarem-se voluntariamente na campanha de segundo turno, concordando ou não com o governo Lula, gostando ou não da candidatura Dilma, apreciando ou não o PT e nossos aliados. Graças a essa mobilização massiva, não apenas vencemos, mas vencemos de maneira politizada: neste sentido, o ocorrido no segundo turno de 2010 lembra o que ocorreu no segundo turno de 2006.

4. Essas centenas de milhares de pessoas, que não esperaram, nem tiveram, inicialmente, ordem ou orientação da coordenação de campanha, das direções partidárias, das candidaturas, nem muito menos dos marqueteiros, são as principais responsáveis pela vitória de 31 de outubro. A elas, nosso mais profundo sentimento de respeito e agradecimento.

5. Depois da vitória, continua a disputa pelos rumos do país, que tem cada vez maior importância no cenário latino-americano e mundial. A disputa passa, de imediato, pelas ações que vão concluir o mandato de Lula, pela composição do governo Dilma e de nossos governos estaduais, pela definição das prioridades políticas do próximo período.

6. Como tem ocorrido desde 2002, os derrotados pretendem definir a composição e a pauta dos vitoriosos: este é o objetivo dos grandes jornais, das revistas semanais e dos telejornais e radiojornais da Rede Globo, com seus textos em favor do ajuste fiscal e em defesa da nomeação de ministros identificados não com a continuidade das mudanças, mas sim com o ajuste fiscal.

7. A mesma mídia oligárquica que pretende pautar o futuro governo opera em favor da desconstituição da aliança governista, estimulando a cizânia e espicaçando o Partido dos Trabalhadores; ao mesmo tempo em que opera a reconstituição da oposição.

8. Dar conta das tarefas presentes e futuras, ao mesmo tempo em que enfrentamos as manobras da mídia e da oposição de direita, exigirá muita sabedoria política. E esta sabedoria exige, antes de mais nada, que não fechemos os olhos para os gravíssimos erros cometidos durante a campanha eleitoral, erros que poderiam ter nos custado a vitória.

9. Dizem que a derrota é orfã, enquanto a vitória tem muitos pais e mães. Este é um dos motivos pelos quais é fundamental que o PT faça um balanço detalhado do processo eleitoral, sob pena de em 2014 assistirmos à repetição dos erros cometidos em 2010, 2006 e 2002. Sem tal balanço, a vitória fará com que os erros sejam deixados em segundo plano. E algum dia os erros se acumularão tanto, que o final não será feliz.

10. Outro motivo pelo qual é fundamental fazer um balanço detalhado do processo eleitoral é que este é, ao mesmo tempo, fim e início.

11. A eleição de Dilma Roussef encerra ao menos um dos muitos debates que havia sobre o governo Lula: hoje sabemos que o governo Lula não foi um mero hiato progressista numa sequência conservadora; ao invés disso, pode ser o início de um processo de transição. Mas continua a disputa sobre a natureza e a duração desta transição, disputa que será marcada, nos próximos anos, pelo comportamento das forças políticas e sociais durante a campanha eleitoral e pelo balanço que façam da própria disputa.

12. O balanço detalhado inclui a análise fina do conjunto das eleições, não apenas a presidencial. Governadores, senadores, deputados federais e estaduais, votos de cada partido e coligação, magnitude da abstenção, tudo deve ser objeto de um detalhado exame.

13. Neste texto nos limitamos a alguns aspectos que nos parecem centrais na campanha presidencial. Ao final, trataremos do que consideramos sejam os desafios centrais do governo Dilma.

Os resultados

14. Em 2010, estiveram em disputa a Presidência da República, dois terços do Senado, toda a Câmara dos Deputados, 27 governos estaduais e assembléias legislativas.

15. Dez candidaturas disputaram a Presidência da República. Delas, quatro tiveram votação significativa: Dilma Roussef, José Serra, Marina Silva e Plínio de Arruda Sampaio. Ao final do segundo turno, Dilma obteve 56% dos votos válidos. Pouco mais de 20% dos eleitores não escolheram nenhum dos candidatos, preferindo a abstenção, o voto nulo ou branco.

16. Os partidos apoiadores da candidatura Dilma Roussef elegeram o maior número de senadores, deputados/as federais e governadores. Mas a oposição de direita (PSDB e DEM), tendo vencido em estados mais populosos, terá sob suas administrações estaduais um maior número de brasileiros e brasileiras.

17. Majoritária no Senado e na Câmara dos Deputados, a coligação apoiadora de Dilma Roussef é composta por partidos de direita, centro e de esquerda. A esquerda propriamente dita (PT, PCdoB, PSB, PDT e alguns parlamentares de outros partidos) reúne em torno de 30% dos parlamentares.

18. O PT cresceu no processo eleitoral. Mas não houve “onda vermelha”. Perdemos o governo do Pará; elegemos um aliado no governo do Piauí (anteriormente governado por nós); vencemos com dificuldade no Acre (onde a candidatura Serra foi amplamente vitoriosa) e em Sergipe; enfrentamos segundo turno no Distrito Federal. Somente no Rio Grande do Sul e na Bahia podemos falar, sem senões, de vitórias políticas e eleitorais do Partido.

19. No parlamento federal, o PT cresceu em número de senadores e deputados, se o parâmetro for as bancadas que tínhamos no final de 2010. Mas é preciso atentar para a evolução histórica: elegemos 1 senador em 1994, 4 senadores/as em 1998, 3 senadores/as em 2002, 10 senadores/as em 2006 e 12 senadores/as em 2010. Já na Câmara dos Deputados o desempenho foi o seguinte: 8 em 1982, 16 em 1986, 35 em 1990, 50 em 1994, 59 em 1998, 91 em 2002, 83 em 2006 e 88 em 2010. Como sabemos, a comparação é mais complexa no caso do Senado, devido ao voto majoritário e à eleição alternada de 1 e 2 senadores. Mas a comparação é direta no caso da Câmara dos Deputados: crescemos pouco em relação a 2006 e não crescemos em relação a 2002. O mesmo vale para as Assembléias Legislativas: em 2002 elegemos 146 deputados/as; em 2006 elegemos 126 deputados/as; em 2010 elegemos 149 deputados/as. Como dissemos, não houve onda vermelha nesta eleição.

O primeiro turno

20. O resultado do primeiro turno confirmou nossas previsões: a disputa foi para o segundo turno, ao contrário das ilusões propagadas por parte da direção do Partido e da campanha; foi eleita uma maioria governista no Senado, na Câmara dos Deputados e entre os governadores; porém, ficamos muito longe de qualquer coisa que se possa chamar de maioria de esquerda; o Partido dos Trabalhadores cresceu no Senado, cresce pouco na Câmara dos Deputados e mantém mais ou menos o mesmo espaço nos governos estaduais; mas, olhando os dados finos, percebe-se o efeito negativo, sobre o desempenho do PT, de algumas alianças.

21. No primeiro turno de 2010, tal e qual ocorreu em 2006, uma parte do PT e da campanha evoluiu do absoluto pessimismo para um otimismo irresponsável, que dava como praticamente garantida a vitória no primeiro turno. Em nome desta suposta vitória garantida, aqueles setores adotaram uma política de baixa politização, defensiva, implicando quase nenhuma participação da militância e campanha de rua. Política que nos levou não à vitória no primeiro turno, mas sim à necessidade de um segundo turno para definir a eleição.

22. É tal atitude, talvez, que explica o semblante abatido dos dirigentes petistas presentes à coletiva dada logo após o primeiro turno. Ou seja, aquilo que deveríamos comemorar — Dilma, que afirmavam que nunca se elegeria, só deixou de ganhar já no primeiro turno por um pequeno percentual — foi tratado como se fosse uma “derrota”. Quando na verdade, na primeira eleição sem Lula como candidato, o resultado obtido no primeiro turno foi uma grande vitória.

23. Poderíamos ter vencido no primeiro turno? Pouco provável. A julgar por 2002 e 2006, nada menos inesperado do que um segundo turno. Mas teria sido possível, caso tivéssemos adotado uma tática simples: politizar, polarizar e mobilizar. Mas não foi isso que vimos na campanha presidencial do primeiro turno. Pelo contrário, investimos pouco no debate programático e na mobilização militante. A campanha oficial foi altamente centralizada e dependente da TV.

24. O terrorismo religioso e a onda de calúnias dos últimos dias do primeiro turno ganhou espaço, em parte, devido à nossa incapacidade de pautar de maneira diferente o debate político. Como não pautamos, a direita tratou de pautar.

25. O debate ideológico implementado pela direita não é apolítico, nem despolitizante. O que acontece é que na esquerda brasileira, o administrativismo fez muita gente perder de vista que debater valores, debater ideologia, visão de mundo, faz parte da disputa política. E a “guarda baixa” fez com que víssemos amigos, ou neutralidade, onde havia inimigos. Como se veria no segundo turno, por exemplo, a ênfase no tema do aborto foi pautada diretamente pelo Vaticano, o mesmo Vaticano com quem firmamos um protocolo diplomático bastante questionável.

26. E que se diga também: os bispos conservadores estão no seu pleno direito democrático, ao defender sua posição nas eleições. O que precisamos é derrotar suas idéias retrógradas e reduzir o seu peso político, ao invés de pretender que não tenham o direito de influenciar nos processos eleitorais.

27. Ainda sobre o terrorismo religioso, é fundamental deixar claro que o segundo turno nunca deveria ter sido uma surpresa, porque era desde sempre o mais provável; que a ofensiva contra nós, nas últimas semanas, era previsível e aconteceria de qualquer modo; que seu efeito foi maior porque abrimos o flanco; e que abrimos o flanco, sobretudo, porque fizemos uma campanha excessivamente “paz e amor” na política.

28. O contrário do que foi dito por setores da imprensa, que acusaram Lula de ter radicalizado contra a mídia, o que teria levado o “povão” a reagir votando contra Dilma. Uma piada, esta explicação, mas houve quem a defendesse na “mídia gorda” (O Globo, Veja) e até quem se orientasse por ela na direção da campanha.

29. Da mesma forma, houve quem tentasse baixar nossa campanha ao mesmo nível da adversária. Foi o caso, inesquecível, do secretário de comunicação nacional do Partido, que postou uma mensagem segundo a qual “o verdadeiro cristão não vota em Serra, por causa da pílula do dia seguinte”. Abjetas, afirmações deste tipo nos empurravam para a vala comum do terrorismo religioso, obscurantista, medieval. Quando o certo era sustentar tranquilamente o que está no programa de Dilma, inscrito no Tribunal Superior Eleitoral, a saber: “Promover a saúde da mulher, os direitos sexuais e direitos reprodutivos: o Estado brasileiro reafirmará o direito das mulheres ao aborto nos casos já estabelecidos pela legislação vigente, dentro de um conceito de saúde pública”.

30. O que ocorreu no primeiro turno refletiu, em primeiro lugar, um problema político-sociológico que já havíamos apontado noutro lugar: a ascensão material das camadas populares, proporcionada pelo governo Lula, não foi acompanhada de politização equivalente, motivo pelo qual a influência ideológica da direita, da mídia, das igrejas, das teologias da prosperidade e similares continua imensa.

31. Refletiu, também, uma indisposição de setores médios contra nosso governo e contra nosso Partido, cujas raízes materiais estão na política que eleva a vida dos pobres, sem tocar no ganho dos ricos. E cujas raízes ideológicas estão no conservadorismo que é historicamente hegemônico nos setores médios.

32. Mas o que ocorreu no primeiro turno resulta, ainda, da postura defensiva que predominou na campanha, sob os mais variados argumentos: o de que Dilma nunca tinha disputado eleição, o de que a eleição dependia basicamente do efeito Lula, o de que teríamos condição de vencer no primeiro turno desde que não arriscássemos etc. Os efeitos práticos disto já sabíamos: quem joga na retranca, não está livre do risco de um gol inesperado no fim do segundo tempo.

33. O que significaria sair da defensiva? O que significaria uma campanha ofensiva? Significaria basicamente politizar, polarizar e mobilizar. Envolver a base do partido, a base dos movimentos sociais, a base política e social que apóia nosso governo. Para ser exato: para enfrentar o terrorismo da direita, não precisávamos mudar de posição, precisávamos mudar de assunto. E colocar o futuro do povo brasileiro no centro do debate.

34. Foi isso que, com algum atraso e dificuldade, fizemos no segundo turno. Somado à mobilização militante, foi assim que garantimos a vitória.

A polarização

35. Logo após o segundo turno, o jornal Folha de S.Paulo divulgou que, num debate entre acadêmicos, três em quatro chegaram à conclusão de que não haveria verdadeiras diferenças entre PT e PSDB. Portanto, a polarização estabelecida na campanha eleitoral teria sido artificial. Por mais estranho que possa parecer, esta tese possui guarida em setores do PT e da campanha e explica tanto o tom adotado durante o primeiro turno, quanto a dificuldade de mudar de linha, no segundo turno.

36. Quatro candidaturas disputaram efetivamente a eleição presidencial. Duas delas polarizaram o processo: PSDB e PT. As outras duas avaliavam como artificial esta polarização: o PV que dizia existirem as bases para uma aliança entre tucanos e petistas; e o PSOL que reclamava da existência de uma aliança entre tucanos e petistas.

37. A votação obtida pelo PSOL, mesmo somada à votação obtida pelos demais candidatos da oposição de esquerda (PCB, PCO e PSTU), confirma os limites estratégicos desta vertente política. Isto decorre em parte da linha adotada pela candidatura Plínio, em parte da existência da candidatura Marina, em parte da linha direitista adotada pela candidatura Serra.

38. Falar do enfraquecimento da ultra-esquerda não implica em desconhecer seu bom desempenho eleitoral em algumas unidades da federação: Distrito Federal, Pará, Amapá, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul. Nem significa menosprezar o apoio de seus parlamentares à campanha Dilma, no segundo turno. Muito menos perder de vista o espaço que existe para uma oposição de esquerda ao governo Dilma. Motivos que devem nos levar a uma postura ativa, de conquistar estes setores para uma nova atitude na sua relação com o PT, reatando com nosso partido e fortalecendo as posições de esquerda em seu interior.

39. A candidata do Partido Verde recebeu uma expressiva votação, qualitativamente superior aos sufrágios recebidos por Heloísa Helena, Ciro Gomes e Cristovam Buarque em 2002 e 2006. Mas esta votação é produto de distintos vetores: o voto de um setor insatisfeito com o PT e com o PSDB; o voto de um setor que busca um discurso de novo tipo, onde o tema ambiental tem grande atrativo; e o voto conservador, produto do terrorismo religioso. É importante dizer que o discurso adotado por Marina não foi eco-socialista, mas sim eco-liberal. A votação obtida por Marina possibilitou o segundo turno, funcionando também neste caso como linha auxiliar do PSDB.

40. Dado que a disputa foi para o segundo turno, entre PSDB e PT, as demais forças políticas e sociais, gostando ou não, tiveram que se decidir entre uma ou outra, confirmando na prática a existência de diferenças e a capacidade de atração que ambas possuem sobre as demais.

41. O primeiro ponto que precisa ser reafirmado, portanto, é: a polarização existe, possui base real e é em torno dela que deve continuar se organizando a macropolítica brasileira.

42. A disputa PT versus PSDB expressa, nos tempos modernos, a polarização que marcou toda a história brasileira, entre duas vias de desenvolvimento: a conservadora (crescimento sem distribuição) e a democrática (crescimento com distribuição). O fato de expressar uma característica estrutural da sociedade brasileira não implica que esta polarização seja inevitável, que ela não possa ser desfeita ou, ainda, que ela não possa comportar baixos teores programáticos.

43. Trabalham contra a polarização PT versus PSDB: os setores da ultra-esquerda que não enxergam diferenças entre petistas e tucanos e buscam, portanto, construir uma “verdadeira alternativa”; a candidata Marina Silva e seus apoiadores “verdes”, que buscam construir uma terceira via competitiva em 2014; setores da oposição, que defendem construir um discurso oposicionista de novo tipo; setores da coligação que apoiou Dilma, que trabalham para construir uma candidatura presidencial não petista em 2014; setores do PT, que defendem um acordo com setores da oposição, supostamente para isolar os fundamentalistas. Até o momento, contudo, a realidade tem pesado mais do que o desejo dos setores acima citados.

44. A dinâmica da crise internacional está impondo opções. Como sempre dissemos, questionando a opinião ingênua de setores do Partido e do governo, a crise será prolongada e vai se aprofundar, adquirindo conotações cada vez menos “econômicas” no sentido estrito e cada vez mais conotações político-militares, como se vê nos Estados Unidos, em que mesmo setores democratas já falam da guerra como uma saída.

45. O compromisso de “seguir mudando” exigirá alocar recursos compatíveis. O Estado brasileiro não dispõe de recursos suficientes para manter e ampliar o volume de investimentos necessários, seja para manter altas taxas de crescimento, seja para ampliar as políticas sociais. O conflito distributivo vai se ampliar. Uma reforma tributária (regressiva ou progressiva) será inevitável, com todas as consequências políticas disto. A pressão pelo ajuste fiscal é a resposta da direita a este dilema, resposta que possui pontos de apoio internos à coligação governista, como se depreende da campanha que alguns setores da mídia fazem em favor de determinados ministeriáveis.

46. A dinâmica reacionária de setores médios e ricos imporá polarizações. Como sempre dissemos, “a burguesia não nos faltará”. Contra os ingênuos e os conciliadores, fala mais alto a atitude agressiva da direita, que reage a um governo moderado e conciliador como se estivesse diante de um governo socialista e revolucionário.

47. Por outro lado, a luta por melhorias sociais também produzirá deslocamentos. As classes trabalhadoras já demonstraram, ao longo destes quase oito anos, que sabem aproveitar o momento favorável da economia para ampliar seus ganhos. Esta dinâmica de lutas sociais terá prosseguimento no próximo período, estimulando também um quadro de polarização entre dois projetos de país.

Derrotar a oposição

48. Em resumo, a eleição presidencial confirmou algo que deve ser parâmetro para o próximo governo: podemos e devemos fazer movimentos táticos, para neutralizar ou dividir a oposição; mas o movimento estratégico exige que derrotemos efetivamente a oposição, reduzindo a sua base de massa e eliminando duas de suas fontes de poder: o financiamento privado das campanhas eleitorais e o monopólio da comunicação.

49. Derrotar a oposição não é apenas vencer as eleições. Derrotar a oposição é derrotar a política da oposição, em três planos, distintos mas articulados:

a) o neoliberalismo, especialmente a hegemonia do capital financeiro e a subordinação aos interesses dos Estados Unidos;

b) o desenvolvimentismo conservador, especialmente a idéia que desvincula crescimento econômico de elevação da democracia e das condições de vida da população;

c) a ideologia reacionária, visão de mundo e cultura coletiva da classe dominante brasileira e dos setores médios por ela hegemonizados.

50. Para derrotar a oposição neste sentido, não apenas eleitoral, mas também político-ideológico, é preciso abandonar as ilusões administrativistas e valorizar o papel estratégico do Partido, a saber: o de mudar a correlação de forças, para conquistar o poder. Cabe ao Partido colocar na sua agenda a luta pela reforma política, pela quebra do monopólio da comunicação, pela ampliação e mudança qualitativa nas políticas sociais. Assim como enfrentando os temas da Defesa, dos Direitos Humanos e da Justiça.

51. Assim como cabe ao Partido, num plano tático, desmascarar as várias caras da oposição (da reacionária até a supostamente light de Aécio) e conduzir a oposição nos estados e municípios por ela governados, preparando desde já as eleições de 2012.

52. Cabe ao Partido, principalmente, voltar a fazer trabalho de massa, de disputa política permanente, inclusive ideológica. Hegemonia exige disputa cotidiana e incansável. Não se trava apenas nos períodos eleitorais. E não se trava apenas, nem mesmo principalmente, a partir do governo. Um dos problemas do governo Lula foi que setores do Partido se acomodaram e aceitaram terceirizar, para o presidente, um papel que cabe ao Partido: o do diálogo com as grandes massas populares. Papel que o Partido só executará se tiver quadros capacitados e um processo permanente de formação destes quadros.

53. Nossa vitória se deve ao apoio das camadas populares. E são elas que devem continuar sendo a prioridade do nosso governo federal. Mas é preciso compreender e combater as razões que permitem, à oposição de direita, conquistar tantos governos de estado e obter 44% dos votos.

54. Entre estas razões, que explicam a força da oposição de direita, estão três deficiências estratégicas do governo Lula. A primeira delas é: a elevação das condições de vida material do povo não foi obtida através de uma reforma tributária ou alguma outra medida que afetasse os super-ricos. Essa “intocabilidade” dos super-ricos, embora neutralize certos segmentos do grande empresariado, ajuda a indispor contra nós amplos setores médios.

55. A segunda das razões que explicam a força da direita é que a elevação das condições de vida material do povo não foi acompanhada de equivalente elevação do nível político, cultural, ideológico. Isto faz com que amplos setores populares, inclusive aqueles que são equivocadamente denominados de “nova classe média”, acabem se incorporando à base de massa do conservadorismo, junto aos chamados “setores médios”.

56. Neste sentido, o PT não pode incorporar ingenuamente o discurso de que somos um “país de classe média” e da “igualdade de oportunidades”, sem perceber que o país de onde se extraíram estes dois paradigmas é o Estados Unidos, onde a esquerda foi sufocada, entre outras razões, pelo estabelecimento de uma visão de mundo que deixa em segundo ou terceiro plano os valores coletivos e sociais.

57. Uma das maiores ameaças ao sucesso do nosso governo e à sua continuidade em 2014 está na ilusão de que se pode seguir avançando indefinidamente sem enfrentar temas cruciais como a progressividade tributária, o imposto sobre grandes fortunas e o monopólio/oligopólio da comunicação. E, principalmente, sem que o PT recupere a prática da luta político-ideológica permanente, ininterrupta e militante.

58. Na campanha eleitoral, estes temas ou não foram tratados, ou não foram tratados adequadamente. E não adianta jogar a culpa na oposição de direita. Pois ficou evidente, no primeiro debate do segundo turno, que, quando quisemos, conseguimos pautar a campanha. A verdade é que nossa campanha acomodou-se, em parte por influência de setores internos que preferiam ganhar sem derrotar, que não aceitavam facilmente a idéia de comparar governos, de sepultar uma vez mais a herança maldita. Neste sentido, registre-se positivamente muitas das intervenções de Lula durante a campanha, demarcando o campo de classe, de projeto, de partido.

59. O que ocorreu com nosso programa de governo, tanto no primeiro quanto no segundo turno, é uma expressão desta acomodação. No primeiro turno, tivemos o episódio patético e constrangedor ocorrido quando do registro da candidatura Dilma. Como todos sabem, agora é obrigatório que as candidaturas apresentem seu programa, quando do registro na justiça eleitoral. Para o PT esta obrigação legal nunca foi necessária: desde 1982 sempre apresentamos nossos programas de governo. Ocorre que a candidatura Dilma não é uma candidatura apenas do PT, mas sim de uma ampla coligação de partidos. Por isto, a coordenação da campanha decidiu que seria apresentado um texto-síntese. Mas, por razões que nunca foram totalmente esclarecidas, esta síntese não foi redigida e, no momento do registro da candidatura Dilma, um advogado contratado pelo setor jurídico da campanha registrou o programa do Partido e não a síntese que deveria ter sido elaborada pela campanha. Quando a confusão foi descoberta, a emenda conseguiu ser pior do que o soneto: o legítimo programa do PT, que não deveria ter sido inscrito, foi achincalhado publicamente; e um novo texto foi inscrito, a partir de um “copidesque” do programa do PT, um resumo que chegou ao absurdo de suprimir a defesa do imposto sobre grandes fortunas. E foi com este texto que enfrentamos o primeiro turno, pois ao que tudo indica predominou na coordenação de campanha a idéia de que o programa era desnecessário e causaria polêmica. Que, como sabemos, deu-se por vários motivos, inclusive pela ausência de um programa oficial.

60. Quando iniciamos o segundo turno, estava claro que haveria um embate programático. E, novamente, a expectativa era de que o programa seria enfim publicado, inclusive os programas setoriais. Mas foi só no final do segundo turno que se publicou, não o programa, mas 13 “compromissos programáticos”, um panfleto minimalista que alguém, supostamente com sentido humorístico, disse ser mais apropriado para nossos tempos de pouca leitura. Sobre o conjunto destes acontecimentos, temos a obrigação de dizer que consideramos uma vergonha, não há outra palavra, que nossa coligação não tenha publicado um programa de governo que mereça este nome. Registre-se que tampouco a candidatura Serra apresentou programa. Por outro lado, é lamentável a influência religiosa sobre nossa campanha. É revelador que depois de anos falando de “republicanismo” e “revolução democrática”, setores do nosso Partido não tenham conseguido sustentar posições laicas e tenhamos tido que buscar o aval de bispos, padres e pastores mais progressistas, para não falar das invocações divinas. É igualmente revelador que alguns dirigentes partidários tenham encampado críticas a bandeiras feministas e humanistas, mostrando que certo reacionarismo não é exclusivo das fileiras da oposição. Para não falar na atitude temerosa com que se abordou o tema da redução da jornada de trabalho, mostrando o quão profunda é a hegemonia da economia política do Capital sobre os setores desenvolvimentistas da nossa coligação e do próprio PT. Novamente, o extremado reacionarismo da candidatura Serra não pode ser apresentado como álibi.

61. No fundo destes erros e vacilações, está uma incompreensão do que significa disputar hegemonia, como se fazê-lo implicasse em demarcar menos, em debater menos, em polarizar menos. Quando se trata exatamente do contrário disto. A disputa de hegemonia exige fazer, em sentido e conteúdo oposto, tudo aquilo que as classes dominantes fazem contra nós todo santo dia: guerra de posição. Contra uma direita que buscará dividir a coalizão governamental, paralisar o governo diante de reais ou fictícios deslizes, desacreditá-lo frente às grandes massas da população e, mesmo, impor saídas extra-constitucionais para liquidar uma experiência que, apesar de lenta e contraditória, aponta no rumo de uma transformação das camadas populares em protagonistas e reais participantes da história.

62. É preciso reconhecer, aliás: diferentemente de 2006, a direita, apesar da derrota eleitoral, não saiu desmoralizada da campanha. No primeiro turno, enquanto do nosso lado muitas vezes faltou emoção e mesmo campanha no antigo sentido da palavra, do lado deles se constituiu um “núcleo duro” reacionário, que se projetará pelos próximos anos. Nós ganhamos na defensiva; eles perderam com discurso de vitoriosos: saíram eleitoralmente desorganizados, mas reencontraram seu filão ideológico.

Hegemonizar as alianças

63. Um terceiro ponto que precisa ser debatido é a política de alianças. Lembramos que foi vitoriosa, no Congresso do PT, a política de construir um amplo leque de aliados já no primeiro turno, estabelecendo uma polarização eleitoral de tipo plebiscitário. Embora não fosse explicitada, havia a intenção de liquidar a fatura já no primeiro turno.

64. Esta política teve êxito parcial: o leque de aliados foi amplo, incluiu o PMDB, ampliou o tempo de TV e vitaminou a candidatura presidencial. Mas não impediu a existência de uma “terceira via” eleitoral (a candidatura Marina), tampouco garantiu a vitória no primeiro turno. Apesar disso, não se pode dizer que a política de alianças tenha sido eleitoralmente prejudicial na disputa presidencial. Até porque os erros cometidos na condução da campanha tiveram origem no próprio PT e não se devem a pressões de aliados — parte desses erros, aliás, deve ser creditada à influência ideológica do inimigo sobre integrantes da nossa própria coordenação de campanha.

65. O mesmo não vale para as eleições estaduais. O que ficou mais uma vez claro, nesta eleição, é que a política de alianças nacional significa uma barreira objetiva para o crescimento do PT nas eleições para governos estaduais.

66. Além das alianças eleitorais, determinadas alianças sociais também não passaram pelo teste das urnas. Depois de dois mandatos em que o agronegócio foi tratado como aliado, que resultado colhemos nas disputas travadas naqueles estados onde o agronegócio é hegemônico? A verdade é que a grande burguesia sabe seu lado e não se ilude com rebaixamentos programáticos.

67. O número de governadores eleitos pelo partido é baixo, quando se leva em conta o fato de que será iniciado nosso terceiro mandato presidencial consecutivo! Sofremos uma derrota muito grave no Pará, desconstruímos as alternativas petistas no Piauí. Nossa vitória no Acre está maculada pela votação obtida pela candidatura Serra. Sofremos uma derrota gravíssima em Minas Gerais, como resultado da política pró-Aécio de Pimentel e do aliancismo pró-PMDB. O apoio de setores do PT garantiu a vitória da oligarquia Sarney no Maranhão, o que é uma vergonha para nossa história. Também sofremos derrotas sérias em outros estados, como Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso, que precisam ser analisadas no detalhe. Em São Paulo, não fomos ao segundo turno em certa medida devido à política implementada por Lula, que defendia Ciro Gomes como candidato, nos impondo uma perda de tempo que custou caro na reta final.

68. Ao mesmo tempo em que foram bloqueadas diversas candidaturas petistas a governador, este bloqueio não foi compensado sequer por um crescimento elevado nas bancadas estaduais, federais e Senado. Ainda que tenhamos crescido nas casas parlamentares, este crescimento ainda não configurou um salto qualitativo, nem mesmo quantitativo em relação a 2002.

69. Precisamos de alianças para vencer, para governar e para transformar o país. O governo Dilma, como o governo Lula, será um governo de centro-esquerda com aliados de direita. Mas o PT é um partido de esquerda e deve saber combinar o apoio ao governo com a disputa interna e externa pelos rumos deste mesmo governo.

70. Neste sentido, o PT deve ousar e propor, ao PCdoB, ao PSB e ao PDT, a constituição de uma federação partidária de esquerda, parcialmente inspirada no exemplo da Frente Amplio do Uruguay. Esta medida é necessária tanto para potencializar a esquerda, quanto para neutralizar o PMDB, assim como para conter as tentativas, vindas de setores da própria esquerda, de derrotar o PT.

71. A verdade é que o PT vive uma situação paradoxal. Cresceu, inclusive eleitoralmente. Mas este crescimento enfrenta sérias debilidades, eleitorais, políticas e organizativas. Que, se não forem enfrentadas, significarão mais cedo ou mais tarde que o PT terá dificuldades de manter o apoio dos aliados a uma candidatura petista à Presidência da República, além de afetar negativamente a natureza programática desta hegemonia.

72. Uma das debilidades do PT se verificou na própria campanha eleitoral. O nível de entrosamento entre o Partido e a campanha Dilma, especialmente no primeiro turno, foi sofrível. A crença no poder isolado da TV, a idealização dos marqueteiros, a desconsideração para com as instâncias e para com a inteligência partidária, a terceirização e a ultra-centralização quase nos levaram para o desastre eleitoral. Sem falar no tratamento dado ao Partido, seja no tema do programa, seja frente aos ataques sofridos pelo petismo. Este conjunto de fatos remete para o enfraquecimento do Partido frente ao governo, problema aliás presente em todos os países e experiências onde a esquerda alcançou a força a que chegamos no Brasil.

73. Outra das debilidades do PT é mais profunda e precisa ser dita com todas as letras: o PT corre o risco de transformar-se num partido de centro-esquerda tradicional, convencional, integrado ao establishment, atravessado pelo fisiologismo e pelo pragmatismo, afetado pela corrupção sistêmica.

74. Hoje, quando observamos a política brasileira, enxergamos um paradoxo: nunca a esquerda foi tão forte institucionalmente; mas, ao mesmo tempo, a degeneração dos hábitos e costumes segue presente. Há várias maneiras de explicar e interpretar este paradoxo. Uma delas é que o PT, ao exercer uma crítica radical dos hábitos e costumes da política brasileira, cumpriu um papel civilizatório dentro da chamada democracia eleitoral burguesa.

75. A partir de um certo momento, contudo, relegamos a segundo plano esta dimensão cultural, ideológica, exemplar, da ação partidária. Fomos nos acomodando por exemplo à prática das carreiras políticas individuais e ao sistema de financiamento privado das campanhas eleitorais. A tal ponto que muitas de nossas campanhas terceirizaram a militância, com a contratação de cabos eleitorais, havendo também acusações de que mesmo petistas “compram” votos. O resultado é o exacerbamento de todos os defeitos e vícios da democracia eleitoral burguesa. É neste contexto que enquadramos o debate sobre a ética e a corrupção, que em nossa opinião continuarão sendo um dos aguilhões da direita contra nós.

76. A nossa incorporação ao establishment explica, ao menos em parte, a dificuldade crescente experimentada por nós junto à juventude. Em 2014 e 2018, parte expressiva do eleitorado brasileiro terá nascido e crescido sob governos petistas. Para estas pessoas, que sentido terá “comparar governos” ou falar da “herança maldita dos neoliberais”? Se não recuperarmos nossa capacidade de propor um futuro diferente, seremos engolidos pela fadiga de material e pela indiferença de um eleitorado jovem, crítico e insatisfeito, como aliás precisa mesmo ser, num país tão marcado pela desigualdade e pelo conservadorismo.

77. Por tudo o que foi dito antes, a reforma política, especialmente o financiamento público e o voto em lista, não constitui um detalhe: é uma condição de sobrevivência para o PT. Não para o PT como máquina eleitoral: esta até pode sobreviver, mesmo que controlada por interesses privados, fisiológicos, pragmáticos. O que não sobreviverá, se não fizermos reforma política, será o PT como partido socialista, de esquerda, democrático-popular. Achamos que esta preocupação, que não é só nossa, mas de amplos setores, precisa embasar uma reação urgente do petismo. Que inclui compreender que o lulismo não é uma resposta para estes problemas.

Desafios do próximo período

78. A grande mídia quer pautar o governo Dilma, pretendendo que ele seja uma continuidade do primeiro e não do segundo mandato de Lula. De nossa parte, entendemos que o governo Dilma terá que dar continuidade, mas principalmente terá que ser diferente do governo Lula. Ser uma simples continuidade do governo que sucede significaria prostrar-se diante dos limites que adversários e alguns aliados pretendem impor a governos democráticos e populares. O que seria um desastre para o desenvolvimento dessas experiências inusitadas da história brasileira. Mas precisamos dar continuidade à transição aberta nas eleições de 2002, em condições que num certo sentido são mais complexas e difíceis, e frente às quais um setor do Partido e do governo tende a adotar uma atitude recuada, tal como fez no primeiro turno da campanha eleitoral.

79. O governo Dilma só pode ter sucesso se for muito além dos avanços do governo Lula. Pode e deve tomá-los como suporte, mas terá que considerar diferentes tanto os problemas herdados quanto os emergentes.

89. Ganhou destaque, legitimidade e prioridade ainda
maiores a chamada “questão social”. A retórica demagógica adotada de última hora por Serra (ao prometer aumento do salário mínimo para 600 reais, décima-terceira bolsa-família etc.) foi um reconhecimento do peso político que essa questão tem hoje no país.

90. Assim, mais do que o governo Lula, o governo Dilma terá que operar medidas que avancem na solução dos problemas relacionados à “questão social”, ou seja, aqueles que dizem respeito à superação das atuais condições de vida da maior parte da população brasileira. Além de conferir à educação e à saúde a prioridade que ambas merecem, precisará avançar nas políticas de saneamento, transportes públicos e moradias, aproveitando os eventos esportivos internacionais a serem realizados no Brasil. Precisará alcançar o pleno emprego, seja através do desenvolvimento industrial, seja através das demandas de aumento substancial da produção agrícola, para assentar os milhões de trabalhadores que não têm terra para trabalhar.

91. O mesmo é verdade para o combate à corrupção. Se esta já era uma questão constrangedora da sociedade brasileira, ela se tornou um perigo constante para um governo que pretende avançar na ampliação da democracia e no benefício das grandes camadas populares da população. Será necessário avançar ainda mais na legislação que pune corruptos e corruptores e não vacilar em afastar aqueles que, mesmo estando no governo, no PT ou na esquerda, cometem atos dessa natureza.

92. O governo Dilma terá de combinar os processos aparentemente antagônicos de desenvolvimento econômico e social e de proteção ambiental, através da solução de questões como a fundiária, do zoneamento agrícola e do zoneamento florestal. O que exigirá, por exemplo, uma revisão profunda do Código Florestal em tramitação no Congresso, sintonizado com os interesses do agronegócio.

93. A questão nacional e as relações internacionais multipolares
continuarão sendo um tema estratégico de primeira grandeza para o governo Dilma. Diante de um quadro cada vez mais complexo, em virtude da crise mundial do capitalismo, precisará reafirmar a soberania e a independência, ao mesmo tempo em que deverá se esforçar para manter relações pacíficas com todas as nações, independentemente de seu regime político, tendo os interesses nacionais do Brasil em primeiro lugar.

94. A ampliação da democracia, abrindo cada vez mais espaços para as grandes camadas sociais da população brasileira, e tendo em conta sua opção de solucionar seus problemas através do voto, continuará sendo determinante para o sucesso do novo governo. O que implica enfrentar a realização da reforma política.

95. O desenvolvimento nacional é visto por cada setor social de acordo com seu próprio interesse de classe. Devemos lutar para que o governo Dilma impulsione um tipo de desenvolvimento que resulte, principalmente, na recomposição da força social da classe dos trabalhadores assalariados. Portanto, nesta perspectiva, trata-se de crescimento com distribuição de renda, no qual a reforma tributária assume um aspecto central.

96. Do ponto de vista emergencial, teremos que enfrentar o problema do câmbio, que carrega grande perigo para o crescimento econômico e o desenvolvimento social. Os
Estados Unidos ingressaram numa política de desvalorização cambial comandada pelo Estado, no rumo contrário do câmbio flutuante que exigem para os demais países, enquanto o governo brasileiro continua engajado nesse tipo de câmbio. Para evitar a necessidade de uma maxidesvalorização, o governo brasileiro terá que adotar mudanças que garantam a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional.

97. O governo Dilma terá sempre que trabalhar para
obter maioria para seus projetos no Congresso, em especial aqueles que podem beneficiar as camadas populares e a nação, em detrimento de alguns interesses econômicos e sociais da burguesia. Terá que praticar constantemente o método de unidade e de luta no seio da coalizão governamental, tendo sempre as questões sociais e nacionais como parâmetros principais. Supor que contará eternamente com os votos de todos os parlamentares da chamada base aliada não passa de um sonho.

98. Por isto mesmo, é essencial que o Partido dos Trabalhadores e as demais forças de esquerda partidária e social estabeleçam um acordo em torno de uma pauta mínima e de um processo de mobilização.

99. As conquistas dos últimos anos — geração de milhões de empregos com carteira assinada, combate ao trabalho escravo, legalização das centrais sindicais, fortalecimento do poder público, recomposição dos salários do funcionalismo federal — são importantes, mas não bastam, quando confrontadas com a pauta histórica de reivindicações das classes trabalhadoras brasileiras.

100. O governo Lula ficou devendo, para ficarmos em alguns exemplos mais gritantes, uma reforma agrária digna desse nome, bem como a extinção do fator previdenciário e a recomposição do poder aquisitivo das aposentadorias e pensões acima do salário-mínimo.

101. Lembremos de outras pautas centrais do movimento sindical: redução da jornada sem redução de salário; fim das demissões imotivadas (aprovação, pelo Congresso, da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho, conforme projeto enviado por Lula); respeito à atuação dos sindicatos no interior das empresas, o que inclui livre movimentação dos sindicalistas e liberdade para criação e funcionamento de comissões internas (organização no local de trabalho, conhecida pela sigla OLT).

102. Há também outras bandeiras e reivindicações que, mesmo quando defendidas por categorias específicas, pertencem ao conjunto dos movimentos sociais. É o caso do investimento em larga escala no Sistema Único de Saúde (SUS), para que a saúde pública torne-se efetivamente digna, universal e de qualidade. É também o caso do investimento anual de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) no sistema público de ensino, em todos os níveis, sem esquecer de conferir prioridade máxima à erradicação do analfabetismo e ao combate ao analfabetismo funcional.

103. O atendimento dessas reivindicações acarreta (e exige, simultaneamente) uma ampliação das liberdades democráticas em nosso país, pois políticas públicas desse teor se chocam contra poderosos interesses econômicos. Assim, para atendê-las será preciso avançar na luta política e ideológica contra os porta-vozes e representantes do capital, o que coloca na ordem do dia a pauta de democratização da comunicação.

104. Cabe ao PT, enfim, continuar trilhando o caminho que pode levar a classe trabalhadora não apenas ao governo, mas ao poder. E queremos que a companheira Dilma, que demonstrou ao longo da campanha sua capacidade de superação e fibra, esteja na frente desta trilha.


0

REGIMENTO DO 1º CONGRESSO DA ARTICULAÇÃO DE ESQUERDA

Posted by Helbson de Avila on 14:45

Tendência interna do Partido dos Trabalhadores

1. O 1º Congresso Nacional da AE se realizará nos dias 8, 9 e 10 de julho de 2011, em São Paulo (SP), para debater a seguinte pauta:

a) balanço do período, até eleição de 2010;

b) estratégia e programa para o próximo período;

c) conjuntura e tática;

d) construção do PT e da AE;

e) eleição da nova direção nacional.

1.1. O secretariado nacional deve, por maioria absoluta de seus integrantes, definir a data do 1º Congresso, levando em conta a agenda do PT;

SUMÁRIO

QUEM PODE VOTAR E SER VOTADO                                          2

CONGRESSOS DE BASE                                                            2

CONGRESSOS ESTADUAIS                                                       3

ELEIÇÃO DE DELEGADOS                                                        3

CONGRESSO NACIONAL                                                          3

PROGRAMAÇÃO E REGIMENTO INTERNO                                  4

TEXTO-BASE                                                                          5

DEBATE NO CONGRESSO                                                         5

ELEIÇÃO DA DIREÇÃO                                                             6

PROGRAMAÇÃO DO CONGRESSO NACIONAL                             6

 

QUEM PODE VOTAR E SER VOTADO

2. Para votar e ser votado em qualquer etapa do 1º Congresso, é necessário ser assinante do Página 13 e estar em dia com a assinatura referente a todo o ano de 2010 e 2011 (janeiro-dezembro);

a) Até 29 de outubro de 2010, será divulgada a lista de militantes da AE em atraso com a assinatura do jornal Página 13 (ou seja, que deixaram de pagar em algum momento entre 2010 e hoje);

b) A lista indicará o nome do militante e o número de meses atrasados e o valor que deve ser pago (somando os meses em atraso de 2010 mais a assinatura de 2011).

c) A lista será enviada para as direções municipais e estaduais, que devem realizar campanhas de assinatura e conferir, no credenciamento dos respectivos congressos, se os militantes estão em dia.

2.2. Militantes do PT que ainda não são militantes da AE poderão ingressar na tendência, fazendo a assinatura do Página 13, até o dia do respectivo congresso municipal de base, desde que não haja recurso contra sua filiação à tendência.

a) Nestes casos, de quem não é militante da AE, é necessário fazer a assinatura do Página 13, mas não será necessário estar em dia com as assinaturas de 2010, bastando estar em dia com as assinaturas de 2011;

2.3.Militantes que se afastaram da tendência ou foram afastados por decisão de instância da tendência, não poderão votar nem ser votados em nenhuma fase do processo, salvo decisão em contrário da instância competente;

2.4. A ata do congresso de base deve relacionar nominalmente os militantes que renovaram ou que fizeram novas assinaturas do Página 13, para o caso de haver contestação e recurso às instâncias superiores da tendência, permitindo assim eventual recontagem do número de delegados eleitos.

CONGRESSOS DE BASE

3. Os congressos de base devem ocorrer entre fevereiro e março de 2011:

a) Cabe às direções estaduais aprovar o calendário proposto pelas direções municipais e acompanhar os congressos de base;

b) Cabe às direções estaduais definir a abrangência dos congressos de base, que podem ser municipais ou regionais (agrupando vários municípios);

c) A pauta dos congressos de base é a mesma do 1º Congresso Nacional. O tratamento de outros assuntos só pode ser feito depois que for esgotada a pauta nacional;

d) Os/as militantes da AE só podem votar e ser votados em um único congresso de base.

CONGRESSOS ESTADUAIS

4. Os congressos estaduais da AE devem se realizar nos meses de abril e maio de 2011.

5. Nos estados onde a AE não possui direção estadual organizada, os respectivos congressos estaduais devem ser acompanhadas pela Direção Nacional da tendência;

6. Fica autorizada, nos estados onde não há direção estadual organizada, a realização facultativa de um congresso estadual sem congressos municipais preparatórios, sendo que neste caso a proporção para a eleição dos delegados nacionais será de 1 delegado para cada 16 militantes presentes no congresso estadual;

6.1.Nos estados onde há direção estadual organizada, esta pode solicitar à Direção Nacional da AE autorização para realizar congresso estadual sem congressos municipais preparatórios;

6.1.Esta autorização deve ser solicitada, concedida ou negada até no máximo o dia 30 de janeiro de 2011;

ELEIÇÃO DE DELEGADOS

7. A proporção de delegados é a seguinte:

a) 1 delegado estadual para cada 4 militantes presentes no congresso de base;

b) 1 delegado nacional para cada 4 delegados presentes no congresso estadual;

8. A ata das conferências, relacionando os delegados eleitos e os suplentes, deve ser encaminhada à Direção Nacional até o dia 5 de junho de 2011.

9.Caso as direções estaduais não encaminhem as informações até o dia 5 de junho, o credenciamento dos delegados só poderá ser feito por decisão da comissão de credenciamento.

CONGRESSO NACIONAL

10.O quorum para instalação e deliberação do I Congresso é de 50% mais 1 dos delegados eleitos nos congressos estaduais.

11. Participam da I Congresso Nacional:

a) Com direito a voz e voto, delegados/as eleitos nos congressos estaduais preparatórios;

b) Com direito a voz, nos momentos autorizados pela Mesa, todos/as os/as militantes da AE;

c) Sem direito a voz, salvo nos momentos previstos neste Regimento, convidados/as a critério da Direção Nacional da AE, em especial militantes da esquerda petista e representantes de outros setores do Partido;

d) Na sessão de abertura do Congresso, toda a militância petista.

12. Só serão credenciados/as os/as delegados/as e militantes que:

a)estejam com assinaturas em dia do Página 13, conforme explicado no ponto 2 deste regimento;

b)cujos estados de origem estejam em dia com suas contribuições financeiras com a Nacional até o dia 15 de junho de 2011. Este pagamento pode ser feito a qualquer momento e até o dia do credenciamento dos delegados ao Congresso Nacional;

c)a tesouraria nacional divulgará, até os dias 29 de outubro de 2010 e 5 de junho de 2011, a lista de estados em débito com a Nacional, bem como o respectivo valor devido;

PROGRAMAÇÃO E REGIMENTO INTERNO

13. A Programação e o Regimento Interno da Conferência serão submetidos à aprovação dos delegados, no dia 00 de julho, a partir das 9h00.

14. Aprovado o Regimento Interno e a programação, os delegados devem:

a) eleger a Mesa Diretora dos trabalhos, a comissão de emendas e a comissão eleitoral;

b) homologar ou alterar a comissão de credenciamento indicada pela direção nacional ou pelo secretariado nacional;

15. A Mesa Diretora dos trabalhos deve ser integrada por 3 membros, que dividirão entre si as tarefas de condução do I Congresso.

16. A comissão de emendas deve ser integrada por 3 membros, cabendo recolher todas as propostas de alteração do texto-base e apresentar, para a Mesa Diretora, aquilo que deve ser submetido à deliberação dos delegados.

17. A comissão eleitoral, composta por 3 membros, será eleita pelo Congresso e terá como tarefa apresentar aos delegados, para debate e deliberação, uma proposta de composição da nova Direção Nacional da tendência;

18. A comissão de credenciamento será indicada pela Direção Nacional da AE e composta por 3 membros, a quem compete credenciar os delegados, os convidados e observadores, bem como avaliar os recursos existentes e apresentar, à Mesa Diretora, aquilo que deve ser submetido à deliberação dos delegados;

 

TEXTO-BASE

19. 0 1º Congresso elegerá, logo após a eleição da Mesa, da comissão de emendas e da comissão eleitoral, um texto-base.

20. As propostas de texto-base poderão ser registradas, junto ao secretariado nacional da AE, a partir de 31 de dezembro de 2010 e até 31 de junho de 2011. Os textos bases poderão ter até no máximo 90 mil caracteres e devem abordar um ou todos os pontos da pauta do Congresso.

21. Para registrar um texto-base é necessário a assinatura de:

a) um membro da Direção Nacional;

b) ou 10 assinaturas de dirigentes estaduais, distribuídos por no mínimo 10 estados (portanto, 1 dirigente por estado);

c) ou 100 militantes de base em dia com suas assinaturas do Página 13.

22. O Página 13 eletrônico divulgará, a partir de 1 de dezembro de 2010 e até 30 de junho de 2011, com edições quinzenais, uma Tribuna de Debates do I Congresso da AE, onde serão publicados tanto propostas de texto-base, quanto artigos assinados por militantes em dia, bem como textos assinados por amigos da AE convidados pelo secretariado nacional a se manifestar.

23. O Página 13 divulgará três edições especiais, com as propostas de texto-base:

a) em sua edição da segunda quinzena de janeiro de 2011, em papel e por meio eletrônico, de maneira que esta edição esteja disponível nos congressos de base;

b) em sua edição da segunda quinzena de março de 2011, em papel e por meio eletrônico, de maneira que esta edição esteja disponível nos congressos estaduais;

c) em sua edição da segunda quinzena de junho de 2011, em papel e por meio eletrônico, de maneira que esta edição esteja disponível no Congresso Nacional;

d) Página 13 divulgará, nas edições acima referidas, os textos que forem enviados com as assinaturas exigidas, no prazo que será definido pela redação do jornal. Ou seja: signatários que queiram republicar seu texto, devem simplesmente reenviar no prazo definido, com a lista de signatários.

DEBATE NO CONGRESSO

24. Após a aprovação do texto-base, os delegados ao I Congresso nacional debaterão em plenária geral e/ou em grupos de discussão

25. Haverá na programação espaço para reunião das frentes de trabalho da tendência.

ELEIÇÃO DA DIREÇÃO

26. As chapas que disputarão a direção nacional devem se inscrever até as 14h00 do dia previsto para a eleição da direção (ver programação abaixo). A eleição das delegações e das direções será feita, tanto nos congressos municipais, estaduais e nacional, com base no estipulado pelo regimento interno da AE, ou seja: em caso de mais de uma chapa, proporcionalidade na composição das delegações, majoritariedade na composição das direções.

PROGRAMAÇÃO DO CONGRESSO NACIONAL

08 de julho

09h00 - abertura do credenciamento

10h00 – reunião da Direção Nacional da AE

14h00 – abertura, aprovação do regimento interno, eleição da mesa, eleição da comissão de emendas e eleitoral. Homologação ou alteração da comissão de credenciamento.

15h00 - apresentação, debate e votação em plenária do(s) texto(s)-base

18h00 - jantar

20h00 - Abertura solene

09 de julho

09h00 - apresentação e votação de emendas sobre o tema estratégia e programa

12h00 – almoço

14h00 – apresentação e votação de emendas sobre o tema balanço da conjuntura e tática

19h00 – jantar

20h00 – apresentação e votação de emendas sobre o tema construção do PT e da AE

10 de julho

09h00 – plenárias das frentes de trabalho (frente de massas, frente institucional, frente organizativa)

12h00 – encerramento e almoço

14h00 - eleição da nova Direção Nacional da AE

27. Questões omissas neste regimento deverão ser decididas pela Mesa Diretora, cabendo recurso ao plenário de delegados.

Fonte: Site do Página 13


0

Dilma Rousseff é a primeira mulher eleita para a Presidência da República

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 12:02

Pela primeira vez nos 121 anos de história republicana, o Brasil será governado por uma mulher. A mineira Dilma Vana Rousseff, 62 anos, foi eleita neste domingo (31). Com quase 97% dos votos apurados, Dilma, do PT, liderava, às 20h45, com 54,1 milhões de votos (55,8%), contra 42,8 milhões de José Serra (PSDB). Ela será a 42ª pessoa a ocupar a Presidência da República. (Conheça os 41 presidentes do Brasil). Depois de quase cinco meses de uma campanha acirrada, a candidata petista parte agora para a dura tarefa de apaziguar os ânimos políticos e tentar manter os altos índices de aprovação ostentados pelo governo do presidente Lula.

Filha do engenheiro búlgaro Pedro Rousseff e da professora Dilma Jane Silva, Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte, onde iniciou a sua militância política aos 16 anos no movimento estudantil, às vésperas do Golpe Militar de 1964.

Com o endurecimento da ditadura, Dilma adotou o caminho da luta armada. Foi presa em 1970, permanecendo três anos na cadeia, onde foi submetida a torturas. Hoje divorciada, foi casada com o advogado gaúcho Carlos Franklin Paixão de Araújo, com quem teve uma filha. Antes, esteve casada por dois anos com o jornalista Claudio Galeno.

Fora da prisão, Dilma Rousseff retomou os estudos, em 1973, tendo cursado economia, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Com a anistia e a volta do pluripartidarismo, filiou-se ao PDT, de Leonel Brizola, fazendo parte da gestão do governador Alceu Collares.

Escolhida candidata pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma fez parte do governo petista desde o primeiro momento, em 2003. Foi ministra das Minas e Energia e ministra-chefe da Casa Civil, cargo que assumiu no lugar de José Dirceu, demitido, em 2005, em meio às denúncias do esquema do mensalão.

Na Casa Civil, foi a coordenadora das ações do governo. Com a proximidade do calendário eleitoral, o governo procurou dar mais visibilidade à então ministra, associando o seu nome a programas como o Minha Casa, Minha Vida e o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Em abril de 2009, Dilma revelou que estava se tratando de um câncer linfático. Ela se disse curada depois de ter-se submetido a sessões de quimioterapia e radioterapia.

Pouco conhecida do eleitorado e disputando contra um veterano em eleições, Dilma começou a campanha com pouco mais de 15%, enquanto José Serra, do PSDB, ostentava índices superiores a 30% das intenções de voto.

Com o decorrer da campanha e o empenho cada vez maior do presidente Lula, acusado pela oposição de usar a máquina pública em favor de sua candidata, Dilma abriu dianteira, dando a impressão de que venceria já no primeiro turno, mesmo com as denúncias envolvendo a substituta de Dilma na Casa Civil, Erenice Guerra.

O crescimento da candidatura da senadora Marina Silva (PV), porém, provocou o segundo turno e renovou as esperanças tucanas.

Mas faltava uma parcela pequena do eleitorado a ser convencido pela campanha petista. E foi o que ocorreu neste dia 31 de outubro de 2010, com a consagração de Dilma Rousseff como a primeira mulher a governar o Brasil.

Dilma chega à presidência tendo como vice o deputado paulista Michel Temer, que preside o PMDB.

Da Redação / Agência Senado


0

Primeiro pronunciamento de Dilma como presidente eleita (31 de outubro)

Posted by Helbson de Avila on 07:50

0

Obrigado Brasil

Posted by Guilherme Monteiro Cerqueira on 16:18

0
Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 17:51

Meus amigos minhas amigas,

Paz e bem!!!

Chegamos nesta reta final, neste domingo, estamos confiantes na vitória de Dilma Rousseff Nº 13 na Presidência da República. No Rio de Janeiro, tivemos uma campanha árdua.

A companheira Dilma venceu as eleições no primeiro turno e com o empenho de todos, vamos vencer as eleições neste dia 31 de outubro. Como disse foi uma campanha em que os nossos adversários fizeram em verdadeiro terrorismo eleitoral, inventaram uma porção de mentiras e espalharam tantos outros boatos. Mas nada conseguiu demover, da maioria dos brasileiros, a certeza de que a mudança de Lula continuará com Dilma. Vamos às urnas e vamos garantir a vitória de Dilma. Um abraço a todos vocês!

Votem dia 31/10/10 em DILMA Presidente Nº 13!!!

Ronaldo


0

A intervenção do Papa acerca do aborto nas eleições - Leonardo Boff

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 12:44
Estou enviando este pequeno texo sobre a intervenção do Papa acerca do aborto nas eleições.

Leonardo Boff

É importante que na intervenção do Papa na política interna do Brasil acerca do tema do aborto, tenhamos presente este fato para não sermos vítimas de hipocrisia: nos catolicíssimos países como Portugal, Espanha, Bélgica, e na Itália dos Papas já se fez a descriminalização do aborto (Cada um pode entrar no Google e constatar isso). Todos os apelos dos Papas em contra, não modificou a opinião da população quando se fez um plebiscito. Ela viu bem: não se trata apenas do aspecto moral, a ser sempre considerado (somos contra o aborto), mas deve-se atender também a seu aspecto de saúde pública. No Brasil a cada dois dias morre uma mulher por abortos mal feitos, como foi publicado recentemente em O Globo na primeira página. Diante de tal fato devemos chamar a polícia ou chamar médico? O espírito humanitário e a compaixão nos obriga a chamar o médico até para não sermos acusados de crime de omissão de socorro.

Curiosamente, a descriminalização do aborto nestes paises fez com que o número de abortos diminuisse consideravelmente.

O organismo da ONU que cuida das Populações demonstrou há anos que quando as mulheres são educadas e conscientizadas, elas regulam a maternidade e o número de abortos cai enormente. Portanto, o dever do Estado e da sociedade é educar e conscientizar e não simplesmente condenar as mulheres que, sob pressões de toda ordem, praticam o aborto. É impiedade impor sofrimento a quem já sofre.

Vale lembrar que o canon 1398 condena com a excomunhão automática quem pratica o aborto e cria as condições para que seja feito. Ora, foi sob FHC e sendo ministro da saude José Serra que foi introduzido o aborto na legislação, nas duas condições previstas em lei: em caso de estupro ou de risco de morte da mãe. Se alguém é fundamentalista e aplica este canon, tanto Serra quanto Fernando Henrique estariam excomungados. E Serra nem poderia ter comungado em Aparecida como ostensivamente o fez. Mas pessoalmene não o faria por achar esse cânon excessivamente rigoroso.

Mas Dom José Sobrinho, arcebispo do Recife o fez. Canonista e extremamente conservador, há dois anos atrás, quando se tratou de praticar aborto numa menina de 9 anos, engravidada pelo pai e que de forma nenhuma poderia dar a luz ao feto, por não ter os orgãos todos preparados, apelou para este canon 1398 e excomungou os medicos e todos os que participaram do ato. O Brasil ficou escandalizado por tanta insensibilidade e desumanidade. O Vaticano num artigo do Osservatore Romano criticou a atitude nada pastoral deste Arcebispo.

É bom que mantenhamos o espírito crítico face a esta inoportuna intervenção do Papa na politica brasileira. Mas o povo mais consciente tem, neste momento, dificuldade em aceitar a autoridade moral de um Papa que durante anos ocultou o crime de pedofilia entre padres e bispos.

Como cristãos escutaremos a voz do Papa, mas neste caso, em que uma eleição está em jogo, devemos recordar que o Estado brasileiro é laico e pluralista. Tanto o Vaticano e o Governo devem respeitar os termos do tratado que foi firmado recentemente onde se respeitam as autonomias e se enfatiza a não intervenção na política interna do pais, seja na do Vaticano seja na do Brasil.

Um abraço bem fraterno.

Leonardo Boff

0

Papa envia recado ao Serra e ao PSDB!!!

Posted by Ronaldo Sempre Na Luta on 12:33
Amigos e amigas façam uma reflexão sobre a campanha e votem no dia 31/10/10 em Dilma Nº 13 para o Brasil seguir evoluindo e crescendo como está no governo Lula!!!


Papa envia recado ao Serra e ao PSDB!!!

O Papa Bento XVI, envia uma orientação pelos bispos do nordeste para o povo brasileiro não votar em candidato que apoia aborto, isto tem um endereço certo ao candidato do PSDB Serra que sua senhora esposa fez um aborto provocado com seu consentimento, isto é inaceitável o aborto somos á favor da vida em plenitude!!!

Não votem em Serra ele é amplamente favorável ao aborto!!!

Vote em Dilma Nº13 que é a favor da vida e da civilização do amor em nosso país!!!

Mulher de Serra fez aborto, diz ex-aluna

Não se trata aqui de querer julgar a conduta da mulher do Serra, mas pra desmascarar a pretensão de Serra de querer ser o candidato da família e dos valores cristãos.

http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4738104-EI15315,00-Monica+Serra+contou+ter+feito+aborto+diz+exaluna.htm

Serra é a favor do aborto ele quando ministro da saúde assinou o documento que legalizava até o quinto mês de gravidez da mulher o aborto pelo SUS!!!!


Serra votou pelo Aborto no (PNDH 1 e 2)

Serra pediu Reforma do Código Penal: Para Ampliar Aborto ( PNDH 1 e PNDH 2 )

O Governo FHC sancionou o I Plano Nacional de Direitos Humanos e o II Plano Nacional de Direitos Humanos. Assim como o III Plano Nacional de Direitos Humanos sancionado pelo Governo Lula, recentemente, o I e o II Plano de FHC foram precedidos de participações da sociedade civil organizada e de órgãos governamentais - entre eles o Ministério da Saúde.

Então, o que nos interessa aqui, no II Plano sancionado por FHC o Ministro da Saúde era José Serra. Ou seja, o que era de Responsabilidade de Saúde passou pela aprovação do Ministro da Saúde - Serra.
No Item Mulheres, questão 179, está disposto:

"...alteração do Código Penal para... alargamento dos permissivos para a prática do aborto legal, em conformidade com os compromissos assumidos pelo Estado Brasileiro no Marco da Plataforma de Pequim".
Claramente, pela citação da alteração do Código Penal para "alargamento dos permissivos legais para a prática do aborto legal" fica explícito que é o avanço sobre a permissão do aborto além do que já é permitido: risco de vida da mãe e estupro. Ou seja: mudar o Código Penal para descriminalizar o aborto de forma mais ampla.


Coordenadora de campanha de Serra a favor do aborto e da liberação das drogas ilicítas!!!

Vamos lá,, Soninha Francice coordenadora campanha Serra a favor do aborto...
como justificar isto Serra?

http://www.iparaiba.com.br/noticias,186143,32,soninha+discorda+de+serra+e+diz+ser+a+favor+da+descriminalizacao+do+aborto+.html


Dá-lhe Dilma Nº 13!!!

Ronaldo

Copyright © 2009 Esquerda Popular Socialista - RJ All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates